por: No ar – Comunicação

Brasileiros passaram a consumir 23% a mais de GLP durante a quarentena e frio faz a conta de gás aumentar.

Com o isolamento social causado pela pandemia do Covid-19, a população passou a ficar mais tempo dentro de casa e, consequentemente o consumo de gás, luz, água, aumentaram. No caso do gás de cozinha – ou GLP – os brasileiros passaram a consumir 23% a mais do produto por conta da quarentena, segundo o Ministério de Minas e Energia. Segundo Wolney Pereira, CEO da Gaslog, distribuidora de gás LP, o consumo de GLP nos condomínios residenciais atendidos pela empresa aumentou 15%.

Agora, com a chegada do inverno, os aquecedores, lareiras e chuveiros são itens que tendem a funcionar mais nesta época. Veja as dicas dos especialistas da Gaslog, para aquecer mais e gastar menos em casa, durante o inverno!

1- Cozinhe de forma inteligente

Alguns detalhes parecem não influenciar na queima de GLP. No entanto, limpar e certificar-se que as bocas de seu fogão estão desobstruídas é essencial para ter uma boa chama e economizar gás LP. Além disso, é importante checar se seu fogão não está localizado em um local com corrente de ar. O vento impede que a chama saia com facilidade e também tende a demorar mais para finalizar sua receita.

2- Cuidado com banhos longos

É comum que os banhos fiquem mais longos com a chegada do frio. Nesta época, ter uma boa ducha, que cubra grande parte do seu corpo, faz com que o tempo no chuveiro se torne menor. Além disso, se o banheiro estiver bem aquecido, é possível desligar a ducha nos intervalos de esfrega.

3- Aquecimento de ambientes

Em dias mais frios, o aquecedor de ambientes é um bom aliado. No entanto, para economizar e não precisar tanto dele, uma dica é deixar o sol entrar ao longo do dia e manter a casa aquecida. Além disso, ligar o aparelho quando há pessoas no ambiente é o mais indicado, já que o calor do corpo ajuda a esquentar mais rápido.

Quer economizar mais? Substitua a luz elétrica pelo GLP

É importante saber que o Gás LP é fonte de energia com o melhor custo x benefícios se comparado a energia elétrica ou gás natural. Um estudo do Sindigás compara um banho de 60 litros de água (10 minutos) com a energia elétrica e GLP. O aquecido a gás sai 64,2% mais barato.

Mas, não é só isso, o GLP é muito versátil. Além de ser usado no chuveiro, o insumo é útil em lareiras, aquecedores e lavanderias também. Eles aquecem mais rápido e com menor desperdício. Segundo Wolney Pereira, a lareira a gás, por exemplo, é muito prática, já que não faz bagunça ou fumaça como a lenha. Com instalação simples, o recurso exige apenas um ponto de gás. Se comparada às lareiras a etanol e elétricas, a com GLP tem maior capacidade de aquecimento. E, além disso, por ser combustível mais limpo, o GLP não produz resíduos tóxicos.

Outra dica é optar por aquecimento de água a gás para todas as necessidades de sua casa, não só para o banho. O GLP é mais econômico para aquecer o fluxo de água das torneiras. Na cozinha, o aquecimento faz com que a gordura das louças se solte mais rápido e gaste menos água para lavar. Além de aquecer a água para lavar roupas, pode ser utilizado em secadoras.

São diversas utilidades que o GLP pode assumir seja dentro de casa, em pequenos aparelhos domésticos, até grandes instalações industriais e comerciais. Ele também é útil para a esterilização de roupas, instrumentos cirúrgicos e equipamentos usados no hospital.

Mercado de GLP aquecido mesmo durante a crise

Por conta desta situação, em que o consumo tem crescido, o mercado de GLP tem se mantido aquecido mesmo durante a pandemia no país. Segundo a Petrobrás, a produção do insumo está sendo ampliada na refinaria Reduc, em Duque de Caxias (RJ). A produção na unidade bateu o recorde de entrega de GLP pelo segundo mês consecutivo em abril.

A Reduc, no mês passado, vendeu mais de 90 mil toneladas de GLP. Foram produzidas 102 toneladas a mais do produto por dia em relação a março. Com isso, a refinaria rompeu sua marca média de 3 mil toneladas diárias, o que representou um aumento de 3,5% na entrega diária. Esse é um cenário positivo para o GLP no país.

“Apesar de o comércio, principalmente os serviços de gastronomia, terem sofrido com a crise e diminuindo a demanda por GLP; os condomínios residenciais aumentaram o consumo. Todo o abastecimento foi controlado para que não faltasse gás à população e a distribuição da Gaslog não sofreu alteração com a pandemia. Nossos técnicos continuam realizando abastecimentos, instalações e manutenção com todos os cuidados necessários com a equipe e com o cliente”, acrescenta o CEO.