A Pandemia do Coronavírus está se espalhando e muitos estabelecimentos estão fazendo da prevenção uma forma de lucrar de forma descabida.

Com os anúncios de paralisação nas escolas, creches, colégios e universidades, além de cinemas, ginásios, estádios de futebol entre outros locais onde existe uma aglomeração de pessoas. E com a paralisação vem o medo e as orientações para prevenir, usar máscara cirúrgica e álcool em gel.

Mas alguns comércios e distribuidores destes materiais acabaram inflacionando o valor destes e outros produtos, pois sabem que o consumidor está desesperado atras deles.

É aí que continua o problema, porque a cada dia, mais pessoas estão sendo infectadas, segundo o boletim do ministério da saúde (16/03) quase 250 pessoas já tem confirmada a contaminação e mais de 2000 pessoas estão com suspeitas e uma pessoa foi a óbito (17/03).

No Paraná segundo os dados da http://plataforma.saude.gov.br/novocoronavirus/#COVID-19-brazil , existe 85 casos suspeitos, 6 casos confirmados e 83 casos descartados.

E o que também sobe em números é o preço dos produtos.

Segundo comentários nas redes sociais, têm lojas cobrando R$8,90 o litro e R$6,50 a caixa de máscaras, o que é um valor mais acessível, porém em outras lojas este valor é de até R$ 29,00 o litro e R$ 4,99 a unidade das máscaras, o que pode ser declarado como inadmissível.

Buscando solucionar este problema, o Departamento Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-PR)  criou um campo para fazer as denuncias relacionadas especificamente da alta nos preços do álcool em gel, segundo o departamento, eles estão recebendo muitas denúncias sobre fornecedores que estão cometendo abusos no preço do álcool gel – 70%.

De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, é prática abusiva exigir do consumidor vantagem manifestamente excessiva e/ou elevar sem justa causa o preço de produtos – artigo 39, V e X.

Extra Extra 📣📣📣📣Link para reclamação de abusos no preço do álcool gel!!!@sejufparana @neyleprevost @ratinho_junior @lucianasaitomassa

Posted by Claudia Silvano on Monday, March 16, 2020

Segundo a coordenadora do Procon-Pr, Cláudia Silvano, o consumidor deve colher fotos dos anúncios dos preços e o endereço do local, para fazer sua denuncia. Por fim declarou que, caso não tenha álcool em gel pode ser feita a higienização lavando muito bem as mãos com água e sabonete.