Comercial x conceitual

Por: Josana C. Gonçalves – Designer de moda e consultora de estilo


Você já foi a um desfile de moda ou assistiu pela TV e ficou perplexa ao ver modelos desfilando roupas “esquisitas”, “estranhas” e que muitas vezes causaram até risadas em muitos de nós?


Pois bem, essas roupas, que para muitos não fazem o menor sentido de estarem sendo apresentadas ali, são chamadas de looks conceituais.


Um dos motivos delas estarem ali é de “causar”, chamar a atenção do público e da mídia, mas o que poucos de nós sabemos, é que “peças-desfiles” são super importantes para uma coleção e são ricas em detalhes e informações acerca do tema, inspiração e conceito das roupas criadas.


A complexidade é uma das características de um look conceitual, mas não é um item obrigatório, e é dele que podem sair várias criações de looks comerciais, que são as roupas ditas “usáveis”.


Para nós, designers, roupas conceituais chamam a atenção pela criatividade e riqueza, mas como tudo na vida, existem resultados bons e ruins, e na maioria das vezes elas são somente peças para desfile e que não tem valor de venda.


Porém, está cada vez mais frequente encontrar celebridades vestindo looks conceituais, com visuais excêntricos e que só seriam vistos em desfiles de moda ou exposições.


As roupas comerciais são uma sintetização das conceituais, e também carregam consigo o resultado de escolhas feitas através de ideias que inspiram uma coleção de roupas, sapatos e até joias.


Mas, a sua finalidade é o comércio, o consumo das mesmas, a satisfação de quem as compra, e para evidenciar cada vez mais a marca de um designer ou estilista.


Seja conceitual ou comercial, o que todo designer almeja enquanto cria é estabelecer sua identidade no universo da moda, conquistando seu público-alvo e definindo o seu estilo nesse mercado tão competitivo e cheio de talentos.